Programa Defesa dos Direitos da Criança e
Adolescente (DEDICA)

Logo-amigos-do-HC-Curitiba

Associação dos Amigos do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná
www.amigosdohc.org.br

1.200

crianças e adolescentes beneficiados.

Curitiba-(PR)

Faixa etária

De 1 ano a 17 anos e 11 meses;

Diagnósticos das crianças e dos adolescentes atendidos

Violência doméstica (violência física) e sexual (abuso sexual com contato físico); transtorno de ansiedade, depressão, automutilação e ideação suicida (tentativa);

Resumo do projeto

O projeto realiza atendimento integral às crianças e aos adolescentes que sofreram violência doméstica e sexual, por meio do atendimento clínico terapêutico individual realizado pela equipe especializada: psicólogos, médicos psiquiatras e assistentes sociais.

Metodologia

Ao dar entrada no setor de emergência do hospital, a criança e/ou adolescente é atendimento pela equipe social do projeto composta pela assistente social e psicólogo, que fazem a acolhida com uma escuta qualificada da família e do paciente. Após primeiro atendimento, a criança e/ou adolescente será encaminhado para a realização dos exames clínicos com a equipe médica.

Com a realização dos exames, a equipe multidisciplinar (psicólogo, psiquiatra, enfermeiro e farmacêutico) realiza a elaboração do plano individual de atendimento para início do tratamento.

O atendimento clínico individual do paciente acontece com os psicólogos que utilizam a abordagem da psicanálise. O atendimento psiquiátrico utiliza uma abordagem com escuta qualificada e, em casos necessários, com intervenções através da indicação de medicação específica ao transtorno a ser tratado.

Os atendimentos clínicos acontecem semanalmente e a duração depende muito da fragilidade emocional identificada no atendido. A partir da melhora das sequelas físicas e emocionais, a criança e/ou adolescente recebe alta.

Em paralelo aos atendimentos clínicos, o atendido pode ser encaminhado pela equipe do projeto a rede socioassistencial local para serem incluídos em atividades educativas.

Quanto as famílias, os atendimentos acontecem por meio de grupos terapêuticos com a equipe social (assistente social e psicólogo), que tem como objetivo fortalecer os vínculos emocionais com o paciente.

Resultados

  • 100% da violência interrompida;
  • 70% das crianças e dos adolescentes apresentaram evolução na questão de saúde mental à curto prazo;
  • 30% dos casos evoluíram à médio prazo.

Galeria de imagens